2008-12-02

A primeira rede antissocial

Artigo selecionado pelo

As redes sociais na Internet chegaram à saturação. Depois do orkut, do MySpace, do Plaxo, do Facebook, do Technorati, do Flickr, do Twitter, do Gazzag, do LinkedIn, do Blip, do BlogBlogs e do Tagged, recusei-me a fazer a inscrição em qualquer outro serviço. Chega dessa rotina de manter atualizada mais uma versão do meu perfil pessoal, checar sucessivos emails com convites dos mesmos amigos desocupados curiosos de sempre para o mais novo site da moda, declinar de presentes virtuais bobos, recusar a instalação de aplicativos sociais ainda mais bobos.

E aposto que milhares de pessoas ao redor do mundo se incomodam tanto quanto eu com todo esse dreno de tempo e energia. Não pretendo colecionar no meu MeAdiciona.com mais um site sugador de atenção que repete as funções dos outros onze e meio nos quais já estou presente.

Por tudo isso, não me surpreendi com a notícia do encerramento do Pownce, absorvido pela empresa de ferramentas de blogs Six Apart. Tornou-se complicado alguém prosperar nessa categoria de negócio. Já existe rede social voltada para tudo que você quiser. O terreno já está completamente mapeado e explorado. MySpace e orkut definiram o ramo. Twitter e YouTube complementaram. Nada mais resta para inventar.

Exceto numa coisa. Nenhum desses sites todos leva em consideração os seus desafetos. Apenas os seus amigos, admiradores, parentes, amantes etc. Não oferece categorias especiais para o chefe psicopata, a ex estressante, o cliente sem noção, o síndico sádico, o irmão fracassado, o vendedor de assinaturas implacável, o troll de fórum, a sogra controladora, a empresa desonesta, a vizinha fofoqueira, o motorista prepotente, o dentista insensível, o vizinho emo, a mídia vendida e o político ladrão.

Tudo isso ocupa uma parte importante da sua vida, negligenciada por todos os sites normais e bonitinhos, que descrevem cada um dos participantes como uma pessoa maravilhosa, especial, influente, linda, incansável, bem-humorada, perfeita, atraente, popular, de bom gosto, carismática, habilidosa, educada, sexy, bom partido, talentosa, querida, invejável, tesuda, elegante, inteligente, mágica, doce, pé de valsa, irretocável, encantadora, brilhante, companheira, genial, equilibrada, indiscutível, memorável, bem-sucedida, charmosa, sábia, da hora, positiva, iluminada, gostosa, cativante, famosa, comível, articulada, ética e superior - a se crer no que dizem os depoimentos e perfis. Precisamos adicionar um senso de realidade à açucarada vida virtual.

Abra alas para uma nova rede absolutamente diferente de todas as outras: o myEnemy.

O myEnemy representa a tendência oposta aos orkuts e MySpaces, na contramão do óbvio. Em seu sardônico texto de introdução, o site chama a si próprio de "rede antissocial". Em suas próprias palavras: "Nós nos irritamos com a falsidade inerente à concepção de 'boa vizinhança' promovida pelos outros sites e buscamos contrabalançar essa fofice forçada com uma abordagem que não deixa de levar em conta as conexões negativas que de fato existem entre pessoas no mundo real."

Conexões negativas que, enfim, não podem passar ignoradas ao se conhecer de perto uma pessoa autêntica. Uma rede formulada somente por afinidades conta somente metade da história de cada participante. Como fica a outra metade - a mais interessante, diriam os cínicos? Pessoas definem-se tanto pelos seus ódios e aversões quanto pelos gostos. O myEnemy leva isso em conta. Cada usuário assina um termo de responsabilidade ao inscrever-se e então toca o terror contra suas nêmesis pessoais conforme julgar adequado.

Na hora da inscrição, você lista os seus ódios e ele os relaciona ao banco de dados interno, colocando você em contato imediato com outras pessoas que exibem o mesmo antagonismo. Você dá nome aos bois, listando os seus inimigos, desafetos, ex-sócios, ex-cônjuges e rivais; faz cobranças morais em público; escreve depoimentos embaraçosos, revelações devastadoras e críticas destrutivas; registra queixas contra empresas; passa a limpo o brutamontes que torturava você na escola; lava a roupa suja com a parentada; desenvolve planos de vingança contra os infelizes; conspira junto aos inimigos em comum dos seus inimigos.

Quando você dá "Add as Enemy" em outra pessoa, ela não precisa estar inscrita no myEnemy. A ficha (nome que o site dá às páginas de perfil) para ela passa a existir automaticamente e consolida as suas diatribes. Mas, antes que essa ficha apareça para o público do site, a sua existência deve ter confirmação e validação através de indicações adicionais feitas por outros usuários.

Ao entrar para inscrever-se no site, caso o seu nome já esteja indicado por alguém, o sistema apresenta a sua ficha para que você tome posse dela, dando-lhe a oportunidade de contestação e revide. Você não pode, porém, checar as fichas antes de se inscrever; trata-se de uma medida preventiva contra apropriações de fichas por pessoas erradas.

Se duas ou mais indicações de inimigos suas coincidem com as indicações de outro usuário, isso denota a existência de uma relação positiva entre esses inimigos. O sistema tira proveito disso. Quando outro usuário qualquer indica uma dessas pessoas como inimigo, o sistema oferece as demais como "provável inimigo". Funciona de forma similar à função de "provável amigo" de outras redes sociais.

Se você indicar alguém como inimigo e essa pessoa fizer o mesmo com você, abre-se um campo novo na sua página de perfil para os dois se confrontarem diretamente, poupando as maledicências indiretas.

Mas nem tudo funciona de forma nominal e direta no myEnemy. Há um empolgante modo anônimo, oficialmente inexistente em outros sites sociais, pelo qual você pode demonstrar desaprovação contra alguém sem que este jamais saiba quem o atingiu. Não precisa burlar as regras do site criando perfis falsos! As rejeições dirigidas a você, tanto diretas quanto anônimas, aparecem contabilizadas na sua página principal pelo indicador de "Ostracism". A proporção entre as execrações anônimas e as diretas aparece no mostrador de "Gossip".

Nos fóruns (comunidades), acontece a discussão coletiva. Os temas principais já vêm listados, para facilitar buscas e eliminar redundâncias. Os principais gêneros de controvérsia prontos incluem ideologia política, tendência econômica, fé religiosa, preferência sexual, estilo de música, gênero de literatura, escola filosófica, atividade profissional, marca de refrigerante, classe social, plataforma de computador e várias outras fontes universais de discórdia. O sistema cria categorias novas automaticamente, através da análise semântica das discussões de temas gerais e da frequência relativa dos temas. Dessa forma, por exemplo, as denúncias contra companhias de telefonia celular e as tiradas pessimistas sobre a profissão de designer ganharam fóruns próprios de imediato, sem necessidade da intervenção dos usuários.

Há uma assistência jurídica gratuita, o "Lawyer Hotline", que funciona via chat. Mas ele não serve para defender ninguém, somente orientar. Afinal, a legislação varia muito de um país a outro e ainda não foram escalados especialistas em direito brasileiro. De forma geral, o site lava as mãos acerca do que você faz dentro dele. Você precisa ficar esperto ao expressar ódios generalizados, como racial ou sexual, proscritos pela lei, que podem ganhar emprego pelos seus inimigos como provas criminais contra você. Isso significa que não rola vale-tudo de insultos no myEnemy. Isso garante um ambiente de confronto franco e sadio, sem desperdício de impropérios, invectivas e acusações.

O serviço acabou de entrar em beta. Por isso, o número extremamente contado de convites disponíveis. Eu mesmo só tenho três convites na mão, e eles já estão prometidos a um amigo do peito, a um primo no exterior e à namorada. Pelo menos até a data oficial de lançamento, o conteúdo funcionará de forma completamente fechada, para que as brigas entre usuários não vazem para fora do site. Com o refinamento da proteção jurídica, imagino que essa segurança relaxe com o tempo. O lançamento oficial está previsto para o segundo semestre de 2009.



Nota - Texto de 7800 toques composto sem o verbo ser.

24 comentários:

  1. deve ser divertido! :-)

    ResponderExcluir
  2. ahahah

    deve ser divertido...sobrando convite no futuro não me esqueça! rs

    ResponderExcluir
  3. Vi o "antissocial", me doeu na vista, mas aí lembrei da reforma. Eu não uso regras, e sim memória para (tentar) escrever direito.

    Ouch! Vou ter que aprender tudo de novo.

    [sobre o texto] mas já não existia uma rede assim?

    ResponderExcluir
  4. Quando esta resenha já estava quase pronta, me contaram sobre um tal de Fiendster. Fui conferir, mas não encontrei nada de concreto. Era só um conceito satírico. Esse pessoal desocupado na Web não tem mais o que inventar.

    ResponderExcluir
  5. Genial, nessa devo fazer o sucesso que não fiz no orkut!

    ResponderExcluir
  6. Muito interessante, assim que sair entrarei, e claro, farei uma menção no meu blog de tendências. Ah, e gostaria de convidá-lo formalmente a colaborar com o blog: tendencias@espm.br, podemos também trocar informações

    abs

    ResponderExcluir
  7. Fico honrado com o convite, mas não mereço!

    ResponderExcluir
  8. haha ok, já espereva por essa resposta, mas de qualquer forma parabéns pelo blog, muito interessante

    ResponderExcluir
  9. amei a ideia, mas faltou o link do tal site


    poderia fazer-me a gentileza de enviar?


    obrigada

    ResponderExcluir
  10. Como usuária da versão beta, mandei sugestões para os features de imagens. Propus que apenas outros usuários possa subir fotos para o perfil de alguém, e a foto do avatar é, claro, a mais linchada por outrem, mais ou menos parecido com a ferramenta ostracism.
    beijinhos!

    ResponderExcluir
  11. Lilian Shimoda3/12/08 09:45

    Interressante e acho que vai fazer muito sucesso.
    Eu acho que é um ótimo sinal que a humanidade dá (ainda) pelo menos virtualmente uma versão açucarada (não falsa) da amarga realidade!

    ResponderExcluir
  12. Eu não sou desenvolvedor do site, mas você poder ser representada por uma imagem escolhida pelos seus inimigos escancara a porta para a difamação pura e simples. O jurídico teria uma dor de cabeça monstro para desfazer a confusão. Que tal assim: você pode colocar fotos desairosas no álbum do seu inimigo, sem possibilidade de censura?

    ResponderExcluir
  13. Legal! Este novo serviço é, no mínimo, muito mais interessante que o Orkut e derivados que, na minha opinião, não passam de "massageadores egóicos" e antros de fuxicos. Mediante a explosão dos sites de relacionamento, a palavra "amigo" nunca esteve tão desgastada e as relações cada vez mais superficiais. Nas redes o que vale é a quantidade, não a qualidade. Pelo que entendi, no MyEnemy teremos a oportunidade de nos relacionarmos de forma mais genuína, e isso me atrai.
    Parabéns pelo blog!
    La Pirata.

    ResponderExcluir
  14. "Pessoas *são* tão definidas pelos seus ódios e aversões quanto pelos gostos."

    Isso não contradiz a nota no final do post ? (tá, a não ser que seja o verbo "ser" no infinitivo, mas aí não tem graça)

    ResponderExcluir
  15. É (agora brinquei) mesmo, o "são" escorregou para dentro do texto da mesma forma que naquele outro post: numa revisão apressada. Já arrumado.
    Hora de tentar um novo desafio: um post inteiro com palavras sem acentos!

    ResponderExcluir
  16. Sem oxítonas ou paroxítonas seria desafiador. Sem proparoxítonas é mais fácil. Por falar nisso, tenho 3 convites sobrando pro myEnemy, quem quiser me manda um email.

    ResponderExcluir
  17. Muito boa a idéia, adorei o texto.

    Mas tem pelo menos dois verbos "ser" aí:

    "caso o seu nome já tenha sido indicado por alguém"
    "As rejeições dirigidas a você, sejam elas diretas ou anônimas,"

    ResponderExcluir
  18. "As rejeições dirigidas a você, sejam elas diretas ou anônimas, são contabilizadas[...]"

    "Você precisa ficar esperto ao expressar ódios generalizados, como racial ou sexual, que são proscritos pela lei e podem ser usados criminalmente contra você."

    Aguardo o post sobre a reforma ortográfica, estou interessado!

    ResponderExcluir
  19. Nada melhor do que gente atenta!

    Mas as próximas correções podem vir pelo email em vez de nos comentários, para eu não passar vexame repetindo a desculpa de que esses trechos de texto foram anexados sem cuidado ao texto original...

    Brincadeirinha quanto ao vexame, verdade quanto à desculpa.

    ResponderExcluir
  20. Do que vale espinafrar uma pessoa se não podemos praticar um vodu com ela? Um aplicativo de vodu seria o plus da rede. :)

    ResponderExcluir
  21. o myEnemy teria duas questões logo de início:

    1) em que ele seria diferente de outras redes sociais que drenam nosso tempo/energia?

    2) como ele driblaria a miopia da justiça brasileira, que tem criminalizado a ferramenta em vez do usuário?

    ResponderExcluir
  22. 1) Esta é uma rede na qual você faz o que realmente lhe dá prazer, que é combater os que atrasam a sua vida.

    2) Evidentemente você não tem acompanhado as notícias recentes. Com a nova legislação que está sendo aprovada, nós todos, usuários vulgares da Internet, estamos sendo preventivamente criminalizados. Passa a ser nosso o ônus da prova de inocência, não mais o da prova de culpa. E a ferramenta (provedor) passou de bom grado a ser um agente participante da espionagem e repressão, quero dizer, do combate à contravenção.

    ResponderExcluir
  23. Acho que não é a primeira não... o www.hatebook.org existe pelo menos desde 2007. :)

    ResponderExcluir
  24. @Schuler: Isto é uma peça de humor, o site que descrevi não existe e ele de fato foi em parte inspirado no Hatebook. Ficou suficientemente claro, ou também preciso explicar o final da piada da batina do padre?

    ResponderExcluir