2007-09-27

Arial Não - Parte 6

O assunto hoje ainda é remix de fontes.

Quando eu trabalhava na redação da Conrad, desenhei diversas fontes para as revistas. Algumas delas eram completamente originais e outras eram remixes. Todas eram para uso exclusivo da editora e nunca saíram de dentro dela.

Apareceu então uma necessidade de criar um texto em Leetspeak, aquela maneira de escrever com letras trocadas. (Não confundir com o "miguxês", que é um fenômeno mais recente e não-nerd na origem.) Logo descobri que não existia fonte pronta para escrever em Leetspeak sem esforço! Que lacuna lamentável no repertório de inutilidades engraçadas da Internet!

Mãos à obra...

O resultado foi um infame remix de Helvetica, apelidado h4cK3®, nos pesos regular e bold. Extrapolei o briefing, criando caracteres absurdamente acentuados, como por exemplo 4 e @ com acentos e til substituindo á à â ä ã, e outras barbaridades do gênero.

Abaixo, uma amostra do resultado, feita em outubro de 2004, em duas variantes: só caixa baixa e só caixa alta. Espantosamente legível, ao se levar em conta o grau de modificação brutal sofrido pela fonte.



Esta fonte nunca foi distribuída publicamente.

7 comentários:

  1. Xará, achei a primeira fonte muito difícil de ler. A segunda foi bem mais fácil, apesar de exigir, em alguns momentos, que eu voltasse atrás para descobrir o significado de uma ou outra "letra".

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. "Leetspeak", um estilo de digitação criado por hackers e gamers, NÃO é para ser "legível" por definição. É um subcódigo de tribo, exatamente como o "miguxês".

    É importante notar que "legibilidade" NÃO é um critério universal para julgar fontes. Uma fonte de texto de jornal deve ser legível. Uma fonte display ou decorativa, não necessariamente.

    Ademais, "legibilidade" é um atributo muito subjetivo e condicionado a condições de hábio e cultura. Portanto, cuidado.

    ResponderExcluir
  4. Olá Mário...
    tudo bem?

    Tens pretensão de disponibilizar estas tipografias de alguma maneira?

    ResponderExcluir
  5. Sim, só preciso abrir de volta e acertar alguns caracteres.

    ResponderExcluir
  6. a primeira sem dúvidas é o famoso l33t (leet), mas a segunda me parece uma nova forma de escrever com caracteres trocados (este sim poderia ser batizado diferente)

    de qualquer forma, bom trabalho... a exclamação invertida para o "i" foi uma boa sacada.

    Só não acho que as duas deveriam ser uma mesma fonte...

    []'s

    ResponderExcluir
  7. São os dois conjuntos na mesma fonte porque esse arranjo permite variação com o mínimo esforço. De vez em quando, você pode digitar o arroba com til em vez do quatro com til...

    Os caracteres em caixa alta são os secundários. Já desenhei uma família de fontes (Zviezda) em que as letras primárias estavam na caixa alta, não na baixa. Assim, a fonte nunca era usada por outros designers como fora originalmente pretendido por mim. Aprendi a lição.

    ResponderExcluir