2007-09-07

Apple: marketing cada vez mais ousado

Na quarta-feira, como todo mundo que acessa este blog deve saber detalhadamente :-) a Apple renovou toda a linha de iPods, lançou o tão esperado modelo Touch e... derrubou brutalmente o preço do iPhone. O preço original do modelo top era de US$ 599; ele vinha sendo oferecido no Brasil (desbloqueado!) por algo em torno de R$ 2500.

Agora, a Apple cortou o preço do produto em um terço da noite para o dia. O mesmo iPhone de antes custa US$ 399. Algo sem precedente, ainda mais em relação a um produto bem-sucedido, que deve vender mais de um milhão de unidades até o fim deste ano.

O jornal USA Today perguntou a Jobs o que diria aos que acabaram de comprar um iPhone pelo preço antigo, e ele respondeu de forma insensível: "a vida no mundo da tecnologia é assim mesmo, paciência pra quem não teve sorte".

Começou uma gritaria nos sites sobre o mundo das maçãs, e o fórum de consumidores do próprio site da Apple foi inundado de reclamações. A coisa ficou feia. Todo mundo revoltado com a redução de preço drástica, pedindo reembolso.

Passa-se apenas mais um dia e Steve Jobs em pessoa publica no site da Apple o seguinte comunicado:

A todos os compradores do iPhone

Eu recebi centenas de emails de usuários do iPhone que ficaram irritados porque a Apple baixou o preço do iPhone em US$ 200 dois meses após ele ter sido colocado à venda. Depois de ler cada um desses emails, eu tenho algumas observações e conclusões.

Primeiramente, eu tenho certeza de que tomamos a decisão correta ao baixar o preço do iPhone de 8GB de US$ 599 para US$ 399, e este é o momento certo para fazer isso. O iPhone é um produto inovador e temos a chance de ir com tudo neste fim de ano. O iPhone está muito adiante da concorrência e agora vai ser acessível para ainda mais consumidores. Reunir o máximo possível de consumidores sob a "tenda" do iPhone beneficia a Apple e também cada outro usuário do iPhone. Acreditamos firmemente que o preço de US$ 399 vai nos ajudar a conseguir exatamente isso no final do ano.

Em segundo lugar, por trabalhar com tecnologia há mais de 30 anos eu posso atestar o fato de que a estrada da tecnologia é acidentada. Sempre há mudança e aperfeiçoamento, e sempre há alguém que compra um produto na véspera de uma redução de preço e perde o preço novo do sistema operacional ou seja o que for. Assim é a vida no caminho da tecnologia. Se você sempre esperar pelo próximo corte de preço ou pelo novo modelo, nunca vai comprar nenhum produto de tecnologia, porque sempre há algo melhor e mais barato no horizonte. A boa notícia é que se você comprar produtos de empresas que dão bom suporte, como a Apple tenta fazer, obterá anos de serviço útil e satisfatório à medida que modelos novos são lançados.

Terceiro: mesmo que tomemos a decisão certa de baixar o preço do iPhone, e mesmo sendo o caminho da tecnologia acidentado, precisamos fazer um trabalho melhor para cuidar de nossos primeiros consumidores do iPhone ao mesmo tempo que vamos agressivamente buscar outros novos com um preço menor. Nossos clientes iniciais confiaram em nós, e nós devemos fazer jus a essa confiança em momentos como este.

Assim sendo, nós decidimos oferecer a cada pessoa que adquiriu um iPhone da Apple ou da AT&T, e que não foi sujeita a nenhum desconto ou promoção, um crédito de US$ 100 na compra de qualquer produto em uma loja Apple de rua ou pela Internet. Os detalhes ainda estão sendo acertados e serão divulgados no site da Apple na semana que vem. Fique ligado.

Queremos fazer a coisa certa para nossos valiosos compradores do iPhone. Pedimos desculpas por desapontar alguns de vocês e estamos fazendo o melhor possível para corresponder às suas elevadas expectativas da Apple.

Steve Jobs
CEO, Apple


Pense comigo.

Primeiro, a Apple lança o produto com um hype fabuloso e um preço salgado, mas que os entusiastas de primeira hora topam pagar. É um sucesso, mesmo sendo uma versão inicial e relativamente incompleta em recursos.

Segundo, a Apple refresca a linha de iPods com um lindo modelo com tela de toque e Wi-Fi, que faz quase tudo que o iPhone faz, exceto chamadas telefônicas. Parece ser especialmente dirigido a quem não abre mão do seu N95.

Terceiro: mata-se o iPhone com menos memória, que já não vendia tão bem quanto o top, e reduz-se brutalmente o preço do top.

Vai me dizer que Steve Jobs, um dos caras mais inteligentes do mundo tecnológico, gênio do design e do marketing, não tinha previsto a possibilidade de revolta em massa dos consumidores do iPhone?

A oferta dele para apaziguar as pessoas foi quase unanimente aprovada e aplaudida, pelo que verifiquei nos fóruns. A Apple não vai fazer reembolso nenhum. Pelo contrário, dará um crédito para compra de mais produtos Apple. Ou seja, a empresa se sai bem de qualquer jeito. As pessoas que antes estavam revoltadas agora ficam felizes, porque têm a sensação de que foram ouvidas!

Um usuário de fórum nos EUA descreveu a situação de forma bem-humorada:

Apple se sai dessa "ouvindo os clientes reclamões, digo, mal-acostumados". Grande jogada de relações públicas. Desmonta a retórica.

E eles dão um crédito de US$ 100 para usar na loja. Ou seja, você leva o equivalente a US$ 50 de produtos que eles obtiveram por US$ 10. Boa jogada financeira.

Daí, eles cobram as taxas de manuseio e envio sobre a sua aquisição de US$ 100 que não foi comprada na Target nem na Best Buy. Jogada financira melhor ainda. Lucro puro.

Agora, você corre para comprar um SEGUNDO iPhone por US$ 400, porque isso abaixa ainda mais o preço total de dois telefones. Você dá o iPhone que já tinha para a sua mulher, que em primeiro lugar nunca perdoou você por ter abandonado o trabalho e feito fila durante três dias para pagar US$ 600 num telefone estúpido. (Afinal, ela tem um celular de US$ 29 que ela usa o tempo todo para contar a todo mundo como você é loser.) Ela enche o iPhone dela com fotos e vídeos de você desmaiado bêbado no chão do apartamento, com sobrancelhas falsas pintadas com canetinha pelos seus amigos losers.

Todo mundo ganha. :-D :-D :-D


Outro forista complementa em seguida:

wow... BOOM!

E para muitos compradores do iPhone: olá, iPod nano de US$ 49...


Conclusão: a audácia marketeira de Jobs só aumenta.
Quase me dá medo. Quase...


Milagre no Brasil

Ao mesmo tempo que acontecem essas coisas nos EUA, a Apple finalmente derruba os preços de vários produtos no Brasil. Agora temos iMacs (do modelo novo!) e MacBooks vendidos oficialmente por R$ 4 mil. Os cortes são capazes de matar o lucro dos tradicionais "muambeiros". A diretoria da filial local da Apple afirma que vai se dedicar mais ao usuário pessoa física.

Isso, sim, é incrível.

9 comentários:

  1. A estratégia é realmente agressiva. Talvez não fosse necessária do ponto de vista financeiro, já que foi o smartphone mais vendido desde o lançamento. Mas faz todo sentido para conquistar quem ainda não usa smartphone ou não concordava em pagar US$ 599 por um celular - ainda que o iPhone esteja muito além de um mero celular.
    Tudo isso é especulação, sem dúvida. Mas de uma coisa eu sei: quero logo o meu iPhone! :)

    ResponderExcluir
  2. Mario, não me leva a mal, mas tua postura de fanboy da Apple é que tá cada vez mais assutadora. Quer dizer que até quando o cara dá uma "carcada" nos consumidores ele é genial ? Derrubar o preço depois de 2 meses é sacanagem da grossa com os early adopters. Todo mundo sabe que o preço dos produtos de tecnologia caem ao longo da vida do produto, mas 2 meses é desaforo. É chamar os fiéis consumidores de otários. E pior: No caso da Apple, estes mesmos ota...err consumidores ainda aplaudem. Vc aplaudiria uma inicitiava igual por parte do Bill Gates? Pq ele fez parecido com o lançamento do Xbox na Europa, com a diferença que ele deu 2 jogos e 1 controle.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Rodrigo, não me leva a mal, mas a postura de fanboy está nos seus olhos. O meu artigo inteiro, do começo até a última linha, conta os fatos de maneira irônica. Não fiz nenhum juízo explícito sobre as estranhas decisões de titio Jobs. Nem endossando nem condenando.

    Para mim, porém, está claro que nenhuma companhia, nem mesmo a Microsoft num mau dia, pensa em chamar os consumidores de otários. Sustento a opinião de que foi tudo uma armação bem executada para gerar buzz. Deu certo? Claro, estamos falando disso agora.

    Em tempo, o Zune baixou de preço no mesmo dia dos lançamentos da Apple. Mas você deve estar sabendo disso...

    ResponderExcluir
  4. Átila, existe um fator novo no horizonte que a Apple deve estar considerando: o Gphone. Ninguém sabe exatamente quando ele vai sair, mas espera-se qu seja um megalançamento global, coisa grande.

    A bola de cristal de Jobs não é embaçada pelo fato de o CEO da Google fazer parte do conselho diretor da Apple.

    ResponderExcluir
  5. Anderson9/9/07 15:32

    Early adopter sabe muito bem no que tá se metendo. Geralmente compra pra experimentar e pra se posicionar bem perante seus iguais. Conheço duas pessoas que compraram o iphone e ficam mostrando ele por aí sem nem usar direito. A experiência pra eles valeu. O fato do preço baixar só vai fazer com que eles comprem outro pq ficou barato. Eu vou comprar um iphone daqui a um ano, apenas pq vai ser um produto beeem melhor do que o atual. Claro que a indústria sempre evolui etc etc mas comprar a versão 1.0 de qquer coisa mecânico-eletrônica serve apenas para ser testador de luxo. Quem comprou geralmente sabe disso e não chia mesmo com o inúmero grau de encrencas relacionados a este tipo de produto. Aliás, encrencas mais do que esperadas. Ou então chia e vibra pela chance de poder gastar mais como é o caso dos créditos.

    Quem não compra ou não tem geralmente fica reclamando pra meter o pau. A velha história das uvas.

    ResponderExcluir
  6. anderson, assino embaixo de cada letra que você digitou... é por aí mesmo.

    Aqueles que vejo mais incomodados e criticando mais agressivamente a questão toda são os que não compraram coisa nenhuma. A velha história das uvas. É essa a maneira que encontram de se posicionar com autoridade moral acima daqueles que tiveram a coragem de comprar e ficar se exibindo.

    O resumo é sempre o mesmo: fogueira de vaidades.

    ResponderExcluir
  7. Nada a ver com o post, mas me lembrei de ti quando vi esse link: http://www.cnn.com/2007/TECH/ptech/08/08/mac-collector.ap/index.html

    ResponderExcluir
  8. Esse é o mais profiça de todos. Ele adquiriu os Macs ainda novos faz um tempo, não pegou como sucata.

    Tem este também: http://www.flickr.com/photos/retromaccast/sets/72157601497626679/
    Além desse museu caseiro com mais de 100 Macs diferentes, ele mantém um podcast semanal sobre o assunto. E vive fuçando ofertas no eBay.

    ResponderExcluir
  9. Sobre o corte de preços aqui no Brasil, foi o que me proporcionou ter meu primeiro Mac, em 12 vezes sem juros...sabe como é.

    Parabéns para a Apple Brasil.

    ResponderExcluir