2006-02-05

Nisus, há quanto tempo!

Ódio.
Aconteceu uma coisa horrível ontem no Blogger. Eu digitei uma tese sobre tipografia no Mac OS e no Windows, copiei o texto do TextEdit (equivalente Mac do WordPad), postei, fechei o TextEdit e o Blogger e fui dormir. Foi uma das raríssimas ocasiões em que não salvei o texto de trabalho no HD.
Murphy atacou. Descobri 24 horas depois. Um bug idiota (redundância) no Blogger fez o texto sumir como se jamais tivesse sido postado. Suponho que ninguém o leu nem o salvou no disco para referência, portanto ele está solida e acabrunhantemente perdido.
Está tudo ainda na minha cabeça, mas 80% da trabalheira é articular as frases. E ainda tinha vários links de interesse, que preciso caçar de volta.

Solução: usar Nisus Writer Express.
Ele salva os textos automaticamente à medida que são digitados, como no Word; porém, diferentemente do Word e da quase totalidade de aplicativos, salva por conta própria, sem que eu tenha que dar nenhum comando. O texto é nomeado pelas primeiras palavras. Não preciso de nada mais do que isso. Se eu fechar o programa com textos abertos, eles reabrem exatamente como foram deixados - até com a última seleção de texto aplicada. Que mais? Undos ilimitados. Múltiplos clipboards. Seleções de texto descontínuas. Dicionário ortográfico em português. Visualização decente da página. Interface muito mais racional que a do Word (que aliás eu me recusava a usar).
Para mim está bom.

Pode considerar isso como um adendo aos textos anteriores sobre interface humana. Lá eu dizia que todos os aplicativos deveriam ter um recurso para recuperar o seu trabalho automaticamente em caso de pau, como o Word e o InDesign já fazem. O Nisus vai além, não deixando que um descuido seu destrua ou perca nada. E olhe que ainda dá para melhorar: o programa não retém o histórico de Undos ao fechar e reabrir o seu texto. Até aí, nenhum aplicativo que conheço faz isso; curiosamente, o System Restore do Windows e o rollback de drivers são implementações de uma idéia similar: instalação com Undo.

E lá vamos nós, reconstruir o post sobre tipografia. No Nisus, claro.
O consolo é que da segunda vez normalmente fica mais bem feito.

10 comentários:

  1. Que pena, eu acho que fui um dos únicos que leu o post! Ele estava realmente muito bem escrito.

    Eu lembro dele pelo fato de ter descoberto que a fonte usada pela Apple nas suas campanhas promocionais é a Myriad, informação que eu tentava descobrir já há um bom tempo.

    Por acaso eu li ele em um computador recém configurado, onde eu ainda não instalei o Google Desktop. Se eu tivesse lido no meu computador habitual ele estaria armazenado no meu cache.

    ResponderExcluir
  2. Metade do texto está reescrita. E como prometido, está melhor que a original. Com mais detalhes do que antes, vai ser preciso quebrá-la em partes, como a série sobre interfaces.

    ResponderExcluir
  3. Mario, acho que tenho o post salvo no cache do Firefox.
    Vou dar uma olhada aqui pra você.

    ResponderExcluir
  4. Oh, a demo do Nisus Express expirou.
    US$ 70 pra continuar a brincadeira.
    Isso ou baixar uma versão clássica antiga, que não pode funcionar se o computador está em rede.
    Que pena... vou completar o texto no WordPad... e esperar por uma doação generosa.

    ResponderExcluir
  5. Me cosidero ignorante em relação a um computador e assumo sem problema algum, nós estamos mais pra dois inimigos de guerra...rs.

    ResponderExcluir
  6. Pois é, setenta dólares, quando a grande maioria dos editores de textos similares custam pelo menos metade disso, é muito dinheiro. Mesmo considerando que ele tem a melhor interface que conheço para processadores de textos, melhor até do que a do pages, que olhando direitinho é bem parecido com ele

    ResponderExcluir
  7. Mario, sempre me questionei se não haveria uma maneira mais fácil de se inserir um post no Blogger. Essa sua ginástica de escrever no textedit abrir o site do blogger, copiar, colar, publicar, rezar é a ginástica de muita gente.

    Infelizmente para mac não existe um soft tão bom como o W.Bloggar para windows, e nunca me adaptei também as variantes, embora por um tempo tenha usado o marsedit.

    Anyway, me sensibilizei com a perda do seu texto e descobri um programinha que hoje é comercial mas o dono ainda disponibiliza uma versão mais antiga free ( e full) dele. O macjournal, acho que para postar da maneira como você faz, quase sem imagens, basicamente textos, ele seria bastante bom, ainda mais porque é mais do que um cliente de blog (na verdade essa é uma feature adicional dele). se precisar do link ele é http://homepage.mac.com/dschimpf/

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. bruno, o programa é praticamente uma combinação de processador de texto com cliente de ftp. Ainda vou pensar um pouco sobre sua utilidade no contexto do Blogger. A Apple criou o iWeb com uma finalidade similar, mas é só para quem paga 100 dólares por ano pelo seu serviço de Internet. Você mencionou o W.Bloggar; como agora disponho de um Windows full-time, posso considerar experimentá-lo no PC. Quanto aos posts serem só de texto, isso é circunstancial; a qualquer momento vou voltar a encher o blog de imagens.

    ResponderExcluir
  9. E os dois artigos estão reescritos. Infelizmente são muito grandes e não têm ilustrações, mas penso que é melhor informação em estado bruto do que perfumaria sem profundidade.
    Coloquei Corbel corpo 9 como fonte default no meu XP. Ficou incrível. Infelizmene não consegui a Segoe ainda, sei que ela vem com o IE7 beta, mas não quero instalar esse programa. Se alguém tiver, me dêum toque.

    ResponderExcluir
  10. Olha estou usando o Mellel. Custa 49 doletas. Consigo usar com meu manejador de bilbiografias tranquilamente.

    ResponderExcluir