2006-01-30

Péssima ideia

O lançamento do Windows Vista se aproxima e a briga entre os pró e os contra se acirra. De um lado, blogs de funcionários da MS num clima que está evoluindo de cor-de-rosa para euforia. Assista a alguns dos vídeos no site linkado: a maioria dos desenvolvedores é mais jovem que eu e parece que está trabalhando em casa na maior tranquilidade. Esses caras sabem que o que estão fazendo vai mudar a vida de milhões de pessoas ao mesmo tempo, mudar o mundo mais uma vez. Só que pode ser para pior, sem que eles mesmos tenham total consciência. Afinal, eles estão lá para cumprir ordens, e nem todas são baseadas em paz e amor.
Os críticos da MS atacam com linguagem cada vez mais pesada. Alguém brincou que Vista significa "Virus Infection and Spyware Transmission Architecture". A piada é ótima, mas o pior nem é que isso possa ou não ter um fundo de verdade. Parece que, ao mesmo tempo que o Vista trará várias medidas para eliminar os problemas de segurança que mancham diariamente a reputação do XP, ele deixa a porta escancarada para outras arbitrariedades, praticadas não mais por anônimos vândalos da Internet, mas por empresas sisudas do ramo de mídia e entretenimento.
Basicamente, o Vista deverá suportar DRM (controle de reprodução de mídia digital) direto no kernel. Traduzindo, o usuário perderá definitivamente o controle sobre a mídia audiovisual. Tudo de ruim se torna possível. Se inventarem, por exemplo, um formato de música comercial que só toca três vezes e então exige novo pagamento ou se deleta sozinho, pode. Se criarem um sistema de vídeo ganancioso que detecta um monitor HD plugado ao PC e se recusa a tocar qualquer conteúdo nele antes do pagamento de uma taxa adicional por "conteúdo de alta definição", também dá. E qualquer outra idéia idiota que as gravadoras e estúdios venham a ter será possível, sem maneira de contornar, exceto usar um PC antigo com um sistema alternativo.
Mais ainda, nada impede que uma máquina com DRM embutido extrapole suas funções básicas e assuma o controle dos seus documentos pessoais, ajustando permissões de acesso à revelia do usuário. Ou então, que o sistema detecte e se recuse a rodar softwares que ele julgue poderem ser usados para contornar as restrições de direito de cópia e reprodução das mídias.
Lembre que toda essa nóia começou há alguns anos, com uma conversa de que a indústria de mídia tinha planos de obrigar os fabricantes de HDs a instalarem um sistema de marcação digital capaz de identificar cada byte de dados gravados nos discos, a título de brecar a pirataria. Não conseguiram àquela altura, mas não desistiram do intento. O projeto Singularity da MS é exatamente um estudo de como um sistema operacional inteiro poderia ter controle individual de cada dado trafegando dentro dele. O pretexto para implementar esse controle é a proteção contra os malwares. A finalidade real pode ser a proteção contra os consumidores.
O mais deprimente é que na prática o DRM embutido somente vai atrapalhar a vida das pessoas honestas. Os verdadeiros piratas, fabricantes em massa de softwares falsificados, continuarão naturalmente a operar sem obstáculos.
Quando se analisa o horroroso fiasco dos rootkits da Sony, chega-se à conclusão de que não se pode dar nenhuma confiança prévia a nenhuma empresa comercial nesse assunto, porque nada garante que uma delas não faça outra besteira que prejudique gratuitamente e sem aviso prévio um monte de usuários. Com o PC é muito pior, porque para criar um problema onde antes não havia nada de errado, basta um update automático baixado da Internet enquanto você dorme, autoinstalado no sistema high-tech e metido a esperto que você não tem mais como configurar para fazer o que você quer em lugar do que as corporações querem.
Talvez Steve Jobs, na condição dupla de poderoso dos computadores e da mídia de entretenimento, ajude a estabelecer um equilíbrio de interesses que sirva de paradigma não abusivo para o resto do setor. Mas eu não apostaria todas as minhas ações da Apple nisso. Afinal, a iTunes Store é um modelo completamente fechado. Ela comete abusos contra os consumidores? Ninguém fez essa acusação até agora, e as vendas crescentes indicam que o consumidor acha que está tudo bem da maneira como está. Mas com os programas de TV e filmes entrando na distribuição online sobre uma implementação técnica monopolizante, onde isso pode dar?

7 comentários:

  1. Muito bom, as vezes me assusto com essas possibilidades, tenho medo de ser controlado, vigiado pelo meu próprio computador. Mas é nessas horas que eu lembro que existe linux, deposito todas as minhas fixas no software livre. Só uso windows AINDA porcausa dos jogos que são inifinitos, mas como o tempo pros mesmos está fincando escasso (ainda bem) logo logo quero estar usando alguma boa distribuição linux.. (:

    ResponderExcluir
  2. Esse DRM será um dos primeiros a ser burlado, assim como a proteção para atualzação pelo Windows Update ja foi e todas as outras "proteções".

    ResponderExcluir
  3. Será que a MS vai conseguir empurrar esse DRM goela abaixo de todo mundo? Terá de oferecer grandes recompensas para isso.

    ResponderExcluir
  4. As pessoas mais conscientes não vão engolir, migrarão para o Linux (ou Mac) antes de serem prejudicados. Mas a imensa massa de usuários não está nem aí e vai deixar a situação piorar até ficar insuportável. O que a MS oferece é muito mais segurança no Vista, mas essa segurança é um cavalo de Tróia para impor uma DRM pesada. Suspeito que a migração para o sistema vai ser parcial e lenta, pois a maioria (esclarecida ou não) se vira bem com o XP.

    Notemos que todas as iniciativas de restrição de direitos sobre mídias digitais visam uma coisa: transformar o PC e a própria Internet numa imensa televisão dos velhos tempos sem videocassete. Isso revela uma falha de compreensão fundamental das novas mídias por parte dos donos de conteúdo. Por mais que se critique e denuncie, eles não mudam de opinião.

    ResponderExcluir
  5. O interessante é que não vimos da indústria fonográfica, até o momento, nada que sinalize uma busca de levar a produção de forma mais barata aos clientes. A tentativa furada é manter o modelo comercial existente. Quem não compraria um pacote de uma boa gravadora para ir baixando o que desejasse? Quanto a Jobs, basta meter a colher no pirão dele e veremos quem é Steve Gates...

    PS: Seu leitor pede feeds com texto completo. :)

    ResponderExcluir
  6. É como falei, eles movem montanhas para retornar ao esquema anterior à tecnologia digital, a era da TV sem videocassete e do rádio AM, quando nenhum consumidor podia gravar nada.

    É exatamente dessa maneira que impérios desmoronam ao longo de toda a História.

    ResponderExcluir
  7. Ainda sobre a Microsoft, saiu hoje a notícia de que somente os usuários do serviço pago de segurança da MS receberão a tempo a proteção contra o vírus Kama Sutra, que atacará esta sexta-feira. Os meros mortais terão de esperar até o update agendado para 14 de fevereiro, quando - em caso de infecção nos seus sistemas - já terão tido seus documentos de Office apagados dos HDs.
    Junte esses dados na cabeça e pense.

    ResponderExcluir